Quando Aristóteles, com cerca de 18 anos, por volta do ano 367 ou 366 a.C. chega a Atenas, vinha da Macedônia imbuído de muita expectativa em usufruir o que pudesse daquele ambiente, um grande centro intelectual e artístico, grandes instituições educacionais eram alvo de jovens que chegavam sedentos para completar sua formação superior e ascender à vida pública como cidadãos. Duas eram as mais importantes e que atraíram nosso jovem.

A primeira, a de Isócrates, que organizava-se, tendo como fundamento as ideias dos sofistas,  o que garantiria o desenvolvimento da aretê , ou seja a “virtude” ,  capacidade para lidar com assuntos relativos à Pólis (cidade)  e sua função mais importante que era a Retórica. O convencimento pela palavra.

A outra instituição era a Academia fundada por Platão em 387 a.C., e que pautava-se pela demonstração de que a base para qualquer ação humana deveria ser centrada na investigação científica e, desde que fosse correta e responsável, não poderia ser norteada por valores instáveis.

Segundo Platão, necessária seria a aplicação da episteme, ou seja, a ciência dos fundamentos da realidade,  onde esta ação deveria estar inserida.

Por meio dos conhecimentos de Sócrates o educando deveria poder examinar, a partir do significado das palavras, o alcance da dialética, das essências estáveis e perenes.

A busca da razão das próprias coisas e dos padrões para a conduta humana.  Aristóteles optou pela Academia de Platão e com o que aprendeu e desenvolveu habilidades para   fundamentar filosoficamente  a explicação de “todas as coisas”.  Tornou-se um polimata, ou seja, um especialista em muitos campos do conhecimento. Aristóteles desenvolveu, por exemplo,  conhecimento na biologia, física, metafísica, lógica, poética, política, retórica, ética.  Junto a Platão  foi um dos pensadores mais influentes da história da civilização ocidental.

A Fundação Memória do Transporte, abraçando os princípios  da Escola  de Platão e os ensinamentos de Aristóteles, onde a pesquisa deve ser representada pela ação do grupo, e o conhecimento visto como algo vivo e dinâmico,  e que deve suscitar constantemente, a inquietação e  reformulação permanente e múltipla  de caminhos de abordagem o que chamamos de rumo do conhecimento real,  cria o Fumtran Academia, respeitando os mesmos princípios e os aplicando tanto na pesquisa quanto na formação de consciência humanística das capacidades do homem.

É um centro de produção e recepção de trabalhos acadêmicos, um farol que orienta a todos aqueles que tem interesse ou estudam a História do Transporte no Brasil e, porque não dizer, no mundo. Por isto convida a todos usufruírem de seus acervos, projetos e estudos.

Sejam benvindos!

A MODELAGEM DAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS FEDERAIS BRASILEIRAS:

Data de publicação: 16/03/2023

Autor: Rafael Lúcio Esteves

Orientador: Prof. Fernando Tavares Camacho, PhD

Páginas: 52

Coletânea de Pós-Graduação

Especialização em Controle da Desestatização e da Regulação (CDR)

Volume 1

TCU – Tribunal de Contas da União

O VIÉS DO OTIMISMO EM CONCESSÕES RODOVIÁRIAS: EVIDÊNCIAS, CAUSAS E SOLUÇÕES

Data de publicação: 16/03/2023

Autor: Fábio Augusto de Amorim
Instituto Serzedello Corrêa

Orientador: David Christian Regis Pereira Grubba

Páginas: 65

Coletânea de Pós-Graduação

Especialização em Controle da Desestatização e da Regulação (CDR)

Volume 1

TCU – Tribunal de Contas da União

VIABILIDADE DE OPERAÇÃO DO DUPLO SEMI-REBOQUE  DE CINCO EIXOS NO BRASIL:

Data de publicação: 1996

Autor: Neuto Gonçalves dos Reis

Orientador: Prof. Dr. João Alexandre Widmer

Departamento de Transportes – EESC-USP

Páginas: 189

Volume 1

USP – Campo de São Carlos

Escola de Engenharia de São Carlos